Investir em CDB Vale a Pena? Confira a Rentabilidade

O Fundo Garantidor de Créditos (FGD) e uma organização não governamental sem fins lucrativos que administra um mecanismo para defesa de correntistas de banco, poupadores e investidores. No caso dos Certificados de Depósito Bancários (CDB), o limite da garantia é de R$ 250 mil por CPF pessoa física, pessoa jurídica, grupo financeiro ou instituição financeira emissora.

Na prática, isto significa que, se uma pessoa ou empresa investe quantias superiores a R$ 250 mil numa instituição financeira frágil e ela não honra seus compromissos, os valores acima do teto da garantia não serão ressarcidos; o risco de faturar apenas alguns reais acima do que teria sido obtido num banco maior não compensam.

Investir em CDB



Investir em CDB Vale a Pena?

Pequenos bancos têm oferecido remunerações superiores para os CDBs. Enquanto uma grande instituição oferece em média rendimentos equivalentes a 95% do CDI (Certificado de Depósito Interbancário, aplicações de um dia útil, criadas nos anos 1980, que têm a função de melhorar a liquidez financeira de um banco). Bancos de porte médio oferecem rendimentos equivalentes a 99% e os pequenos, a 103% (sempre na média). Apesar de a diferença chegar a até oito pontos percentuais, o resultado final é pífio.

Um investimento de R$ 10 mil em CDBs por um ano, ao final do prazo, a diferença entre o maior e menor rendimentos líquidos (descontada a alíquota de 20%, vigente para aplicações entre seis e doze meses) foi de apenas R$ 44. Em números percentuais, os rendimentos oferecidos por pequenas, médias e grandes instituições foi de 5,62%, 5,86% e 6,1%.

Os cálculos são do economista Damy Sana, PhD em administração e professor da Fundação Getúlio Vargas. O economista fez outras contas: com a diferença, só é possível comprar 19 cafezinhos por ano.

A Solidez das Instituições que oferecem CDB DI

Com a queda de juros básicos da economia (mensurados pela taxa SELIC) e a alteração das regras para o cálculo dos rendimentos da poupança, esta aplicação tornou-se menos rentável e muitos investidores buscam outras opções para resguardar suas economias.

Novos depósitos na poupança, desde o dia 4.5.2012, sempre que a SELIC Ficar abaixo de 8,5% ao ano, são corrigidos com 70% da SELIC, acrescidos da variação da TR (Taxa Referencial). Nos 12 meses encerrados em agosto de 2012, a poupança foi um dos piores investimentos, rendendo apenas 3,72%, acima apenas da alta do dólar comercial e dos fundos de ações multidividendos.

Por isto, muitos poupadores migraram para os CDBs, que realmente exibiram resultados melhores, mas simulações de muitos cenários econômicos por especialistas demonstram empates em várias situações.

Aí entra a avaliação da solidez das instituições: com a decretação da liquidação extrajudicial dos bancos Cruzeiro do Sul e Prosper, em setembro de 2012, os pequenos bancos novamente estão em situação difícil, em face à desconfiança do mercado.

Especialistas não esperam uma quebradeira geral, mas uma sensível redução no volume de depósitos captados por estas instituições.

Dinheiro

Viver de juros ainda é possível?

Por muitos anos, o Brasil foi considerado um paraíso para rentistas nacionais e estrangeiros. As altas taxas de inflação garantiam bons rendimentos em investimentos de risco moderado ou baixo. Posteriormente, com o fim da hiperinflação, as altas da taxa SELIC sempre foram acionadas quando pressões inflacionárias ameaçavam a estabilidade financeira do país.

Isto começou a mudar em 2011, quando o Banco Central passou a reduzir a taxa básica. Investimentos de curto prazo passaram a ser cada vez menos atraentes. Ouro (na Bolsa de Mercadorias & Futuros), fundos de ações livres, small caps, renda fixa e Notas do Tesouro Nacional são as aplicações mais atraentes. O ouro acumula rendimentos de pouco menos de 15% no último ano, mas, assim com as ações, é um investimento de risco.

+ Leia também:

As Metas dos Gerentes de Banco

Gerentes de banco de varejo e suas equipes precisam cumprir metas mensais de captação de depósitos e investimentos. Em geral, as metas são irreais e muitos bancos tentam “empurrar” aplicações pouco lucrativas (e até exibindo resultados negativos).

O mesmo Damy Sana aconselha a evitar fundos de investimentos com altas taxas de administração, planos de previdência privada com altas taxas e administração e carregamento, a nova caderneta de poupança, CDBs com remuneração muito abaixo do CDI e títulos de capitalização (que, na verdade, são uma espécie de loteria particular).

A solução é procurar aconselhamento em bancos de investimentos e agentes de investimentos independentes, e fazer aplicações de longo prazo. Nos EUA, estes agentes respondem por 92% das aplicações (corretoras e agentes independentes respondem por 60%).


Gostou? Compartilhe nas redes sociais :)

Cursos Gratuitos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *